sábado, 25 de junho de 2011

Hey y'all



E ai Blogspot, quanto tempo, hein?

Então, minha história com blogs go way back when. Acho que date back to 2003, no auge do Blogger.com.br, lembram? Naquela época todo mundo tinha blog e eu, obviamente, não era um exceção. Eu me divertia escolhendo o layout e contava meu dia-a-dia de uma maneira que back then eu achava hilário mas, looking back, era só cringy worthy mesmo.

(alias, NOTA: eu tenho essa mania de anglicanismo e de ficar misturando inglês com português. Eu sei que at first pareço ridículo, pré-adolescente e que eu to trying way too hard mas juro de pé juntos que é assim que eu penso. É péssimo porque eu não consigo escrever direito em nenhuma das duas línguas e bastante gente acha irritante mas, para ser sincero, você que é o pau no cu se isso realmente te incomoda tanto)

Daí, no ano seguinte, todo mundo migrou para Fotolog uma moda que eu tenho mó orgulho de dizer que I never partake in. Me parecia extremamente pointless. Alias, naquela época eu tava bem fora de sintonia com a galera porque eu não assistia Malhação (e era a temporada do Guilherme Berenguer que todo mundo assistiu!11um!) nem tinha flog. Bom, não que eu não tenha tido minha cota de gostar de coisas vergonhas mas, pqp, a ÚLTIMA coisa que eu achava necessário naquela época era sair expondo minhas fotos por ai. E, vendo minhas fotos de quando eu tinha 14 anos, eu tinha muitos bons motivos para tal coisa.

Enfim, daí eu continuei com blog até tipo 2005 no Blogger e passei o ano de 2006 sem nenhum blog pessoal mas voltei felizão em 2007 e fiquei até 2009 quando resolvi migrar para o Tumblr e... meh, Tumblr nunca me deu muito tesão.

Daí é isso. Fascinante, né?

Mas minha relação com blog sempre foi uma parada meio bizarra. Alias, é um perfeito reflexo da minha vida: eu atualizava ele assiduamente, como se tivesse falando com uma multidão mas, tirando 2 ou 3 pessoas, eu tinha HORROR que pessoas da minha vida real lê-sem. Nem meus amigos mais próximos. Eu achava que o blog era uma janela muito escancarada para o que tava se passando dentro de mim e nunca curti muita exposição. Além disso, não tinha nenhuma paciência de promover meu blog pela interwebs, nunca fiz amigos virtuais e, besides, até tive alguns projetos paralelos pela internet que bombaram bastante mas nunca promovi minhas paradas pessoais neles porque eu sempre achei que conhecer de verdade a pessoa que está detrás meio que fazia você perder o foco. A não ser que, sei lá, você seja uma pessoa engraçadona e seu blog é de humor ou algo assim mas o fato é que minha vida nunca teve NADA a ver com meus projetos paralelos. Para que ligar um blog sobre cultura pop japonesa (sim, eu tive um blog sobre cultura pop japonesa. E fez bastante sucesso) a um blog pessoal de um garoto de 16 anos (back then) contando suas aventuras bêbadas e seu desequilíbrio emocional. Nada a ver, né? Então eu sempre dei pouca informação (e nunca consegui manter meu interesse em nenhum projeto paralelo).

E eu acho que outro fator pelo qual eu não dividia o meu blog pessoal é o fato de eu ter tido problemas de aceitar quem eu sou. Ao mesmo tempo que meu blog era uma evidência de que eu era MUITO orgulhoso de ser quem eu era pois eles eram basicamente voltados para enaltecer meus gostos, minha vida, etc.

E essa contradição representa muito bem minha vida. Sob o risco de soar clichê e ridículo, eu sou a pessoa que mais me ama e mais me odeia. Tem dias que meu narcisismo chega na velocidade 5 da dança do créu e dias que eu me acho a pessoa MAIS HORROROSA DA VIDA. Eu posso ser a pessoa mais extrovertida e confiante do planeta e a pessoa mais insegura e invisível do recinto. E eu não costumo ter meio termos. Eu sei que TODO MUNDO é contraditório, etc. mas eu realmente tenho a impressão de que eu meio que passo dos limites e eu não tenho muito middle ground. Como é de se esperar, as vezes eu AMO o fato de eu ser extremista e, muitas outras, eu ODEIO.

Que mais? Eu sou extremamente cínico e eu sou ÓTIMO para ler as pessoas. Eu sou muito observador então eu "entendo" muito bem as pessoas e as motivações delas. Isso é, provavelmente, uma das minhas características que eu mais gosto.

OK, agora que já fizemos toda essa análise psicológica do meu ser zzzz vamos ao básico: meu nome é André, tenho 20 anos e sou leonino. Moro no Rio de Janeiro e estudo publicidade. Não tenho a MENOR paciência para nada e acho rotina um saco. Também sou extremamente impontual (por sorte, meus amigos também são) e meus horários de acordar e dormir são completamente loucos.

Eu sou MUITO exigente. Comigo, principalmente. Enquanto estava crescendo, eu aplicava essa exigência a quase tudo e isso me trazia muita dor de cabeça então eu aprendi a deixar de ser tão tosco. Óbvio que eu ainda sou exigente mas eu tenho um approach MUITO mais chillax para a vida ultimamente.

Eu amo meus amigos e amo party hard. Adoro destilados e tenho uma quedinha por álcool caro (pense Grey Goose e Patrón) mas bebo até Kovak se for o que tiver. Eu gosto de sair para dançar, gosto de rir, gosto de gritar música cafona até ficar rouco, gosto de ter conversas aleatórias com pessoas aleatórias... enfim, gosto de animar pela vida.

Também gosto de ficar em casa, de pijama, ouvindo música e submergido no mundo de coisas que me interessam mas ficar em casa muito tempo me deixa na bad então tento não exagerar.

Eu AMO cultura pop. Do nível estudioso, saca? Gosto de saber sobre tudo que é popular em todo o mundo e tentar entender o porque. Sei o que tá em primeiro lugar nas paradas de single na Austrália, sei o que é popular no Japão, sei qual é o programa mais visto da Espanha... enfim, é esse meu nível de interesse.

Mas, apesar de gostar de SABER de tudo, não significa que eu GOSTO de tudo. Eu sei tudo sobre as Kardashians, Glee, Jersey Shore e, heck, até Crepúsculo mas isso não significa que eu realmente goste de qualquer uma dessas coisas. Apesar de que, sinceramente, não tenho nada contra quem gosta. Eu adoro trashy e não tenho muita paciência para ~~boa literatura ~~boa musica ~~boa piroquinha no cuzinho.

Não sou muito fã de seriados americanos não. Não sou o tipo que assiste bilhões por vez. Alias, atualmente, não assisto nenhum. Acho a maior parte deles meio boring e todos eles meio que seguem umas guidelines meio óbvias. Eu coloquei meu DVR para gravar True Blood de modo que assisti toda a primeira temporada mas não achei grandes coisas. Glee eu detestei. Gossip Girl acompanhei até o começo da 3a temporada; Modern Family vi só a 1a e, volta e meia, assisto algum ou outro episódio de The Office, Family Guy e Futurama. Como todo mundo sob a face da terra, eu meio que já vi todos os episódios de Friends e Sex and the City e, faz alguns anos, acompanhei The OC e Desperate Housewives... nha...

Por outro lado, AMO a TV britânica. Eu até comprei um I.P. brit para poder acessar o iPlayer da BBC e o 4 on Demand do Channel 4 e poder ver tudinho que a televisão de lá tem a me oferecer. As comédias são deliciosas e não tão nem ai para o politicamente correto, pode ter nudez, drogas e todos os xingamentos e a qualidade é melhor. Acho que só o fato das coisas não durarem 20 EPISÓDIOS já deixa a qualidade melhor. Atualmente, minha obsessão é a versão brit de The Apprentice (odeio Donald Trump entao não assisto o original; idem para Justus) e Absolutely Fabulous é minha all time fav comedy.

Mas enfim, na TV, eu costumo ver o que é popular por curiosidade apesar de ter pouca paciência para acompanhar qualquer coisa. Não consigo ver os trilhões de reality shows mega populares nos EUA e no UK por mais que eu queira. Tinha uma época que eu amava dramas japoneses, outra que eu curtia seriados espanhóis, as vezes assisto o Le Grand Journal da França e acho "Por Amor" e "Mulheres Apaixonadas" OBRAS DE ARTE (pena que Maneco ficou gaga desde então). Se for para cavucar, quando eu tinha 12 anos eu gostava de novela mexicana e também já vi novela argentina (e pago maior pau para Cris Morena). Mas atualmente não acompanho nada.

Em música, eu gosto de tudo. Eu AMO pop espanhol cafonérrimo (Alejandro Sanz, Arjona, Montaner, vintage Shakira... heck, até Ricky Martin); adoro reggaeton (Lloraras por Mi é uma das minhas musicas favoritas da VIDA); atualmente to into música italiana (Laura Pausini); aprendi a gostar de sertanejo recentemente (MUITO); enlouqueço com hip-hop e sei raps inteiros do Eminem e da Nicki Minaj; me divirto com axé; me divirto MUITO com funk; curto country... enfim, realmente curto muita coisa.

Alias, como o bom gay e fã de cultura pop que sou, gosto de Rihanna e de Katy Perry e de Miley Cyrus e de Britney Spears e de Beyoncé e de Nicki Minaj e até de Jennifer Lopez. Eu acho as músicas divertidonas, gosto de ver o que elas fazem para tentar se manter relevante e as estratégias de marketing; gosto dos clipes e dos shows mega produzidos... enfim, curto tudo. É óbvio que tem variáveis níveis de gostar e as vezes eu fico annoyed mas, em geral, elas todas me fascinam.

Mas o ato pop cafona que eu mais respeito é o Take That. Eu não curto boybands por principio mas eles eu amo, como eu já tô cansado de repetir. Nenhum show ao vivo é tão incrível quanto o deles e dia 8 de julho estarei no Wembley Stadium para vê-los ao vivo e cumprir um item da minha bucket list.

Hmm... whatevs, acho que já escrevi demais. Tenho essa predisposição a fazer textos gigantescos. Eu ainda tenho mais o que falar mas acho que ninguém quer ouvir mais então vamos encerrar por aqui.